Sage - Propriedades, cultivo e benefícios


SÁBIO

sábio é a planta aromática, talvez a mais famosa que se conhece. Pode ser considerada a prima donna da cozinha, pois é conhecida e utilizada em todo o mundo pelo seu aroma desde os tempos antigos.

CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA

Reino

:

Plantae

Clado

: Angiospermas

Clado

: Eudicotiledôneas

Clado

: Asteris

Pedido

:

Lamiales

Família

:

Lamiaceae

Gentil

:

sábio

Espécies

: veja o parágrafo sobre "Principais espécies"

CARACTERÍSTICAS GERAIS

O genero sábio pertence à família de Lamiaceae e é particularmente rico em espécies anuais e perenes, usadas tanto para fins alimentares ou terapêuticos como simplesmente para fins ornamentais.

A espécie que normalmente usamos para dar sabor aos nossos pratos é a Salvia officinalis ou sábio comum uma espécie perene nativa da Europa nas áreas de clima ameno.

Seu nome deriva do latim salvus «seguro, seguro "ou"salus «saúde "que indicam as suas virtudes como planta curativa atribuídas pelos romanos a S. officinalis.

É uma planta muito difundida em todos os países com um clima ameno e forma arbustos reais. Os caules são inicialmente verdes, depois com a maturidade tornam-se lenhosos, de secção quadrangular e muito ramificados. É uma planta que pode atingir um metro de altura.

As folhas são portadas por um pecíolo curto, são oval-lanceoladas, de bela cor verde-acinzentada com bordos serrilhados e face superior aveludada enquanto a inferior é mais áspera e com nervuras evidentes. Uma peculiaridade é que são ricos em óleos essenciais que lhes conferem o aroma característico.

As flores são colhidas principalmente na parte terminal do caule (spicastri). A cor de S. officinalis é violeta. São hermafroditas (ou seja, os órgãos reprodutores feminino e masculino coexistem na mesma flor) e são polinizadas por insetos. Ela floresce na primavera.

ESPÉCIES PRINCIPAIS

Existem inúmeras espécies que encontramos no gênero sábio entre os quais nos lembramos:

SALVIA OFFICINALIS

Salvia officinalis é uma espécie perene e não é uma planta grande, de facto não ultrapassa um metro de altura.

É a espécie silvestre, aquela que encontramos nos prados com a folhagem prateada e peluda que usamos normalmente na cozinha e para uso terapêutico. As flores são azul-violeta e juntam-se na parte terminal do caule (spicastri).

Existem vários cultivares entre os quais nos lembramos: o S. officinalis 'Albiflora' com flores brancas é o melhor para uso culinário; lá S. officinalis 'Purpurascens’, tem flores vermelhas também é bom na cozinha mas com as folhas um pouco mais duras que a anterior mas é melhor pelas suas propriedades terapêuticas


S. officinalis 'Albiflora'


S. officinalis 'Purpurascens'

SCLAREA SAGE

salva esclereia é uma espécie perene nativa da Europa e tem folhas em forma de coração com inflorescências pontiagudas e flores branco-azuladas que começam a aparecer no início do verão.

É uma planta que atinge a altura de um metro, também é muito rica em óleos essenciais e sempre foi usada para fazer perfumes, para dar sabor a vinhos como o vermute e alguns tipos de moscatel.

Existem várias espécies que não são usadas adequadamente como o S. officinalis mas que possuem aromas muito particulares e, por isso, são amplamente utilizadas como plantas ornamentais. Entre estes, lembramos:


Sage Dorisiana
(com aroma frutado)


Sálvia greggii
(com um delicado aroma de pêssego)


Salvia rutilans
(com cheiro de abacaxi)

Vamos falar sobre as técnicas de cultivo de S. officinalis.

TÉCNICA CULTURAL

sábio é uma planta rústica, muito fácil de cultivar, que se desenvolve bem quando exposta ao sol. Na verdade, é uma planta termofílica e heliofílica, ou seja, adora o calor e o sol. Geralmente a área de cultivo atinge até 900 m de altitude, não mais do que climas muito frios não são tolerados. Sobrevive com dificuldade em ambientes com invernos longos e frios.

Também pode ser cultivada no apartamento desde que respeitadas as suas necessidades de cultivo, mesmo que seja ao ar livre e em terreno aberto onde melhor se desenvolva.

Gosta de boa circulação de ar.

Geralmente após 4-5 anos a planta tende a degenerar, então após este período é bom substituí-la.

REGA

É uma planta que deve ser regada com moderação, tendo o cuidado de não deixar estagnações de água no solo que são a principal causa da morte destas plantas, permitindo que o solo seque entre uma irrigação e outra.

Eles também resistem à seca e não gostam de umidade atmosférica excessiva.

TIPO DE SOLO - REPOTÊNCIA

sábio prefere solos neutros ou ligeiramente calcários e arenosos, muito permeáveis ​​para favorecer uma boa drenagem e boa circulação do ar. Solos ácidos e pesados ​​devem ser absolutamente evitados.

FERTILIZAÇÃO

É utilizado um fertilizante líquido, adequadamente diluído na água de irrigação, a cada 15 dias a partir da primavera e durante todo o verão. Nos demais períodos as fertilizações devem ser suspensas.

Por se tratar de uma planta cultivada principalmente por suas folhas aromáticas, é preferível usar um fertilizante que tenha um título de nitrogênio (N) bastante elevado, o que favorece o desenvolvimento das partes verdes. Portanto, certifique-se que além de possuir os macroelementos "como nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K) e que entre estes o nitrogênio está em maior quantidade e também possui os microelementos, ou seja, aqueles compostos dos quais a planta precisa em quantidades mínimas (mas ainda precisa), como magnésio (Mg), ferro (Fe), manganês (Mn), cobre (Cu), zinco (Zn), boro (B), molibdênio (Mo) , tudo importante para um crescimento correto e equilibrado da planta.

Diminua um pouco as doses em relação ao que está indicado na embalagem do fertilizante.

FLORAÇÃO

Salvia officinalis ela floresce desde a primavera e todo o verão, enquanto as sementes amadurecem de agosto a setembro.

PODA

Terminada a floração, é bom podar a planta para estimular o seu crescimento.

MULTIPLICAÇÃO

A multiplicação ocorre por semente ou por corte herbáceo.

Na escolha da técnica a ser adotada, deve-se ter em mente que a multiplicação por sementes tem a desvantagem de, quando a variabilidade genética se instala, não é certo que as plantas sejam idênticas às plantas-mãe. Portanto, caso você queira plantas precisas, é bom fazer a multiplicação por estacas.

MULTIPLICAÇÃO POR SEMENTES

A semeadura é feita no início da primavera, distribuindo as sementes em fileiras paralelas no solo de sementes. Para enterrá-los uniformemente, eles podem ser empurrados para baixo do solo usando um pedaço plano de madeira.

A bandeja com as sementes acomoda-se à sombra, a uma temperatura em torno de 18 ° C e é mantida constantemente úmida (use um pulverizador para umedecer o solo) até o momento da germinação (ocorre após cerca de 2-3 semanas).

Ao contrário das mudas, as sementes apresentam baixa germinabilidade, pelo que é preferível utilizar uma quantidade razoável.

A bandeja deve ser coberta com uma folha de plástico transparente para garantir uma boa temperatura e evitar a secagem muito rápida da sujeira.

Todos os dias o plástico é removido para controlar a umidade do solo e eliminar a condensação do plástico.

Depois que as sementes de sálvia germinam, a folha de plástico é removida permanentemente e, conforme as mudas crescem, a quantidade de luz é aumentada (nunca o sol direto) e uma boa ventilação é garantida.

Elimine plantas novas e menos luxuriantes para dar mais espaço a plantas mais robustas. Quando forem grandes o suficiente para serem manipuladas, serão transplantadas com muito cuidado para não danificar nenhuma parte da planta (seria preferível usar um garfo que você vai inserir embaixo do solo para pegar a planta inteira e colocar no nova panela) em um solo conforme indicado no parágrafo "repotting".

MULTIPLICAÇÃO PARA TALEA

As estacas podem ser colhidas entre março-abril ou junho-julho. Os ápices vegetativos com cerca de 8-10 cm de comprimento são retirados de plantas com 2-3 anos de idade.

Recomenda-se cortar com lâmina de barbear ou faca afiada para evitar desfiar os tecidos, certificando-se de que a ferramenta utilizada para o corte esteja limpa e desinfetada.

Após a retirada das folhas inferiores, a parte cortada é imersa em um pó rizogênico para facilitar o enraizamento. Esta operação não é estritamente importante para a Salvia, pois os cortes geralmente têm uma boa capacidade de germinação.

Posteriormente, em um vaso contendo duas partes de solo fértil e uma de areia grossa, faça furos com um lápis, tantos quantos houver estacas e arrume-se conforme indicado na foto, tendo o cuidado de compactar suavemente o solo.

O vaso é coberto com uma folha de plástico transparente (ou um saco com capuz) e é colocado à sombra e a uma temperatura em torno de 18 ° C, tendo o cuidado de manter o solo sempre levemente úmido (sempre regar sem molhar as plantas de enraizamento com água à temperatura ambiente). Todos os dias o plástico é removido para controlar a umidade do solo e eliminar a condensação do plástico.

Assim que começarem a aparecer os primeiros rebentos, significa que a muda enraizou. Nesse ponto, o plástico é retirado e o pote colocado em uma área mais clara, na mesma temperatura, e espera-se que os cortes se fortaleçam. Depois de ficarem grandes o suficiente e produzirem novos brotos vigorosos, eles serão transplantados para o vaso ou solo final.

Não perturbe as mudas até que tenham colocado os novos brotos.

PARASITAS E DOENÇAS

É uma planta que pode estar sujeita a várias doenças. Se a sálvia for usada para cozinhar, os tratamentos químicos não são recomendados. É preferível renovar as mudas, considerando seu baixo custo.

As folhas da planta ficam cobertas por um molde esbranquiçado

Este é o sintoma clássico de um ataque de ferida branca causado por um fungo, o Erysiphe spp.

Remédios: em geral os ataques de ferida branca nunca são preocupantes para a saúde da planta. É aconselhável eliminar as partes afetadas.

Pequenos pontos pretos aparecem nas folhas, espalhados na lâmina da folha que eventualmente convergem entre si

Se você observar esta sintomatologia, é provável que esteja na presença de um ataque de Míldio spp., um fungo que pode causar graves danos à planta. Na verdade, as folhas afetadas secam, assumem a forma de charuto e caem.

Remédios: é muito difícil combater este fungo, mas pode ser contido com fungicidas à base de cobre.

Podridão de raiz e basal

Ele pode sofrer várias formas de podridão de raiz e basal na presença de alta umidade e colheitas muito densas. Os fungos que causam esse tipo de doença podem ser: Pythium spp. é Rhizoctonia spp.

Remédios: a luta é essencialmente preventiva, ou seja, todas as medidas culturais devem ser adotadas para evitar a estagnação da água no solo e a excessiva umidade ambiental.

Malformações das folhas

Na sálvia este é o sintoma clássico do ataque de nemátodes que se manifesta primeiro com lesões nas folhas, amarelecimento e presença de exsudatos e posteriormente com malformações.

Remédios: É muito difícil lutar contra esse ataque. O combate é preventivo, reduzindo a umidade e evitando a irrigação foliar. Uma vez em andamento, é recomendável eliminar as partes infectadas.

Folhas que ficam amarelas e manchadas

Este sintoma acompanhado pelo facto das folhas se enrolarem assumindo um aspecto quase poeirento e evidenciando a presença de finas teias de aranha especialmente na face inferior das folhas indica um ataque da aranha vermelha, um ácaro muito nocivo.

Remédios: em primeiro lugar é necessário aumentar as nebulizações porque a falta de umidade favorece sua proliferação. Somente no caso de infestações particularmente severas, é recomendado o uso de um inseticida específico registrado para esta planta.

Presença de pequenos animais esbranquiçados na planta

Se você notar pequenos insetos branco-amarelados-esverdeados, é quase certo que esteja na presença de diafídio, pois eles são comumente chamados de piolhos. Se você olhar para eles com uma lupa e comparar com a foto ao lado, eles são inconfundíveis, você não pode errar.

Remédios: tratar a planta com pesticidas específicos registrados para esta planta.

PROPRIEDADES AROMÁTICAS

As propriedades aromáticas são dadas pelo óleo essencial que possui uma composição química muito complexa cujos principais constituintes são: alfa e beta-tujona, cânfora e 1,8-cineol, responsáveis ​​pelo seu aroma característico de planta.

COLETA E ARMAZENAMENTO

As folhas a serem armazenadas devem ser colhidas entre maio e julho, antes ou no início da floração. Também são utilizados os topos das flores, que devem ser colhidos no início da floração.

Para o uso diário na cozinha, as folhas podem ser colhidas entre a primavera e o outono. As melhores são as dos botões e não devem ser lavadas, mas enxugadas com um pano úmido.

As folhas e flores são secas à sombra e armazenadas em sacos de papel ou lona.

PROPRIEDADES MEDICINAIS

Você vê: Plantas medicinais: salva.

USO NA COZINHA

Em todos os países europeus é uma das especiarias mais utilizadas na culinária como condimento para carnes, peixes, sopas e vegetais. Na Itália eles são famosos são os ravioli com manteiga e sálvia e a folhas de sálvia fritas.

Geralmente é uma especiaria que é usada sozinha como tendo tal aroma, ela se comporta como uma prima donna: ela cancela o sabor das outras especiarias.

CURIOSIDADE'

Esta planta era conhecida desde os tempos antigos: os egípcios, os romanos e na Idade Média era considerada uma erva capaz de curar todas as doenças.

A Faculdade de Medicina de Salerno, uma das mais famosas da Idade Média, guardiã do saber médico da antiguidade, deu a esta planta o nome de Salvia salvatrix «Sábio que salva.» Ainda hoje esta escola é recordada no selo da Universidade de Salerno que é o da Antiga Escola Médica de Salerno, representando ao centro a figura de São Mateus com São Cosma e São Damiano a seu lado.

Uma antiga lenda francesa conta a história dos quatro ladrões que em 1630, quando a peste atingiu toda a Europa, saquearam as casas das vítimas da peste sem nunca contraírem a doença. Quando foram finalmente presos e condenados à morte, suas vidas foram salvas porque revelaram o segredo de sua imunidade: borrifaram seus corpos com um vinagre que inventaram feito de salva, alecrim, tomilho e lavanda, quatro plantas conhecidas por seus anti-sépticos e propriedades antibacterianas. Assim nasceu "o vinagre dos quatro ladrões" que era amplamente utilizado como antibiótico natural em caso de infecções e epidemias.

Em vez disso, uma antiga lenda cristã conta por que essas qualidades terapêuticas foram atribuídas a essa planta: suas flores haviam sido o leito do menino Jesus nas paradas da Sagrada família durante sua fuga para o Egito.

Nós nos lembramos de uma espécie particular a Salvia desoleana que é uma espécie rara e endémica da Sardenha. É um pequeno arbusto de caule quadrangular peludo, com grandes folhas opostas e peludas e com o aroma característico. Floresce na Primavera produzindo espigas compridas não muito ramificadas que apresentam numerosas flores brancas com um aspecto particular com o lábio inferior manchado de marrom contra um fundo branco, verde e azul claro.


Salvia desoleana

Na América Central existe uma espécie particular, a Salvia divinorum que é alucinógeno, pois contém salvinorina, o alucinógeno natural mais poderoso conhecido na natureza.


Salvia divinorum

LINGUAGEM DAS FLORES E PLANTAS

Você vê: A linguagem das flores e plantas.


  • Flavonóides
  • Óleo essencial (cetonas, acetato de borneol, pineno e cânfora)
  • Derivados do ácido cafeico (ácido clorogênico e ácido rosmarínico)
  • Diterpenos e triterpenos
  • Taninos.

A salva, além de amplamente utilizada na culinária, possui fortes propriedades medicinais, porém, é necessário fazer uma distinção com base na forma farmacêutica utilizada.

Na verdade, os extratos hidroalcoólicos e a decocção apresentam atividade desinfetante, mas devem ser tomados apenas externamente, pois o óleo essencial, no qual está presente a tujona, pode ter efeitos neurotóxicos (exigência de prescrição médica).
Também para aplicações externas, estão no mercado óvulos vaginais à base de salva contra a vaginite, mas também para aplicações na pele (em uma concentração de 1-3%).

Atividade biológica

A sálvia é uma planta muito utilizada na área culinária, porém, também possui algumas propriedades terapêuticas, como antibacteriana, antifúngica, virustática, adstringente e antitranspirante.
Além disso, alguns estudos realizados em animais mostraram que a sálvia é capaz de exercer uma ação colerética. Isso torna esta planta um auxílio na neutralização de quaisquer sintomas dispépticos.
Outros estudos, entretanto, têm demonstrado o potencial poder antiinflamatório exercido pelo sábio por meio de um mecanismo de ação que prevê a inibição da síntese de mediadores químicos pró-inflamatórios pelos macrófagos.
A maioria das propriedades mencionadas são atribuídas principalmente ao óleo essencial contido na própria planta.
Outras pesquisas foram conduzidas, no entanto, sobre as propriedades antioxidantes e antidiabéticas potenciais da sálvia e seus extratos. Os estudos em animais até agora produziram resultados bastante encorajadores. Na verdade, um estudo mostrou como a sálvia - em particular o ácido rosmarínico contido nela - pode ser capaz de exercer uma ação antidiabética por meio da diminuição dos níveis elevados de açúcar no sangue e da inibição da peroxidação lipídica e, no momento em si, é também capaz de exercer ação antioxidante, favorecendo a atividade de enzimas como a superóxido dismutase e a catalase.
No entanto, antes de aprovar uma aplicação terapêutica semelhante à sálvia, certamente são necessários outros estudos clínicos mais aprofundados.

Sábio contra distúrbios digestivos

Conforme mencionado, em virtude de suas propriedades coleréticas, a sálvia pode ser considerada um auxílio válido no combate a distúrbios digestivos e também pode ser útil em caso de perda de apetite.
Geralmente, para o tratamento dessas doenças, a sálvia é usada internamente. A título indicativo, a dose usual é de cerca de 4 gramas do medicamento por dia.
Se a sálvia for usada na forma de extrato líquido (proporção medicamento / solvente 1: 1, usando etanol a 45% v / v como solvente de extração), a dose geralmente recomendada é de cerca de 2 gramas do produto.

Sábio contra a transpiração excessiva

Dentre as várias propriedades atribuídas à sálvia, certamente se destaca sua atividade antitranspiração. Graças a esta ação específica, o uso de sálvia é aprovado na medicina fitoterápica para combater a transpiração excessiva.
Também neste caso, para tratar este tipo de distúrbio, a sálvia é utilizada internamente. A título de indicação, a dose geralmente recomendada para o tratamento da sudorese excessiva é de 0,25 grama de medicamento em pó, para ser tomado antes das refeições.

Sage contra inflamação da mucosa orofaríngea

Graças à sua ação antiinflamatória e antibacteriana, a sálvia obteve aprovação oficial para ser utilizada no tratamento da inflamação da mucosa oral e da mucosa faríngea.
Para o tratamento deste tipo de enfermidades, a sálvia é utilizada na forma de solução para gargarejo e enxágue. Esta solução pode ser preparada infundindo 2,5 gramas do medicamento em 100 ml de água, ou 2-3 gotas de óleo essencial sempre em 100 ml de água. Alternativamente, para preparar a solução à base de sálvia para uso externo, você também pode usar 5 gramas de extrato líquido (alcoólico), para ser diluído em um copo de água.

Obs .: quando a sálvia é usada para fins terapêuticos, é essencial o uso de preparações definidas e padronizadas em princípios ativos, pois somente assim você pode saber a quantidade exata de substâncias farmacologicamente ativas que está tomando.
Quando se utilizam preparações à base de salva, as doses do produto a serem ingeridas podem variar de acordo com a quantidade de substâncias ativas contidas. Essa quantidade costuma ser informada diretamente pelo fabricante na embalagem ou na bula do mesmo produto, portanto, é muito importante seguir as instruções por ele fornecidas.
Em qualquer caso, antes de tomar qualquer tipo de preparação contendo sálvia para fins terapêuticos, é aconselhável consultar previamente o seu médico.
O conselho do médico é particularmente importante no caso de sálvia e seu óleo essencial serem ingeridos para fins terapêuticos, devido à tujona contida neste último que pode causar efeitos colaterais significativos.

Sábio em medicina popular e homeopatia

Na medicina popular, a sálvia é usada internamente para tratar distúrbios gastrointestinais, como flatulência, diarreia e enterite. Externamente, no entanto, essa planta é usada para gargarejar ou enxágue contra inflamação e irritação da pele, laringite, faringite, estomatite e como remédio contra sangramento gengival.
Além disso, a sálvia é explorada pela medicina homeopática, que a utiliza para combater a sudorese excessiva, a digestão lenta e algumas doenças do trato respiratório, como tosse, bronquite e faringite.

N.B .: as aplicações da sálvia para o tratamento das doenças acima mencionadas não foram aprovadas nem suportadas pelos testes experimentais apropriados, ou não foram aprovadas. Por isso, podem não ter eficácia terapêutica ou mesmo ser prejudiciais à saúde.


Propriedades benéficas da sálvia

Antibacteriano e antiinflamatório: graças às suas propriedades bactericidas, a sálvia é excelente no combate a tosses, constipações, dores de garganta e doenças do aparelho respiratório: para a garganta, os decocções, enquanto para tosses e resfriados é melhor eu fumigações com algumas gotas de óleo essencial. Além disso, a sálvia é útil no caso de feridas e cortes na pele, pois além de desinfetar também promove o processo de cicatrização. Sua propriedades antiespasmódicas eles também são úteis no tratamento da asma, enquanto suas propriedades antiinflamatórias proporcionam alívio no caso de você sofrer de reumatismo.

Combate a osteoporose: sage ajuda a combater a osteoporose que afecta principalmente mulheres na pós-menopausa, porque reduz o stress oxidativo e também a perda de densidade mineral óssea, que causa fracturas. Assim, por este motivo, a sálvia mostra-se um excelente remédio natural também para a sua prevenção.

Ajuda o estômago e os intestinos: sage tem propriedades digestivas, estimula a produção de suco gástrico e, portanto, é indicado para promover a digestão, mas também é útil por sua função gastro protetora. Entre suas propriedades terapêuticas, a sálvia provou ser excelente contra espasmos, ajudando a controlar as cólicas estomacais e estomacais, mas também a diarreia. Graças à sua função carminativa, reduz os gases intestinais e desinfla a barriga.

Reduz distúrbios relacionados à menstruação e menopausa: Muitas mulheres sofrem de TPM e dores menstruais todos os meses. Sage, usado principalmente na forma de chá de ervas ou infusão, ajuda a acalmar irritabilidade, dores de cabeça, dor abdominal e inchaço, além de reequilibrar o ciclo menstrual. Também previne e limita os sintomas da menopausa, incluindo ondas de calor, graças aos flavonóides. Também provou ser um excelente remédio para aliviar a vaginite.

Estimula o sistema nervoso e combate a fadiga: sálvia ajuda a reduzir o cansaço, a exaustão e a apatia porque pode estimular o sistema nervoso central ao dar ainda mais energia, ajudando a memória e também reduzindo os estados de ansiedade e depressão. Na medicina chinesa, a sálvia também era usada para combater a insônia. Também é útil para a recuperação após períodos de convalescença.

Reduz o açúcar no sangue: sálvia, especialmente se tomada como uma infusão com o estômago vazio, foi considerada útil na redução dos níveis de açúcar no sangue, ajudando assim aqueles que sofrem de diabetes.

Combate a retenção de água e purifica: alguns ácidos contidos na sálvia conferem-lhe propriedades diuréticas úteis no combate à retenção de água, mas também ao edema.

Toccasana para pele, dentes e cabelo: a sálvia também é usada em cosméticos por sua propriedades anti-transpiração, antibacteriano e desodorizantes. Também está incluído em loções e xampus para cabelos oleosos que tendem a cair devido aos seus próprios propriedades normalizadoras, anti-sépticas e purificadoras do sebo, que também o tornam útil em cosméticos para combater a acne e normalizar a pele oleosa. EU'óleo essencial de sálvia é usado para o dele propriedades antioxidantes em cremes anti-envelhecimento. Sage também pode ser usado para a nossa beleza e o cuidado dos dentes e gengivas em caso de abcessos, aftas e gengivites graças ao seu propriedades curativas. Além disso, esfregar folhas de sálvia nos dentes os torna mais brancos e cheira o hálito, especialmente se forem mastigados.


Como preparar a infusão sage

preparação de um chá de ervas à base de salva inclui alguns ingredientes simples: folhas de sálvia secas e uma panela com água. Quando o líquido é levado para ferver, uma colher de chá de folhas picadas é colocada dentro, para ser deixada em infusão por cerca de 5-10 minutos.

Esta versão resulta particularmente eficaz contra dor de estômago, enquanto no tratamento da sensação de inchaço é possível variar a preparação inserindo na água fervida 5 sai.

Após uma infusão de cerca de 10-15 minutos, ele será filtrado e consumido junto com alguns gotas de limão é um colher de chá de mel, para ser adicionado assim que o chá de ervas esfriar, apenas o suficiente para ser bebível.

Se você quiser atualizações sobre Chá de ervas insira seu e-mail na caixa abaixo:

Ao preencher este formulário, concordo em receber informações relativas aos serviços referidos nesta página de acordo com a política de privacidade.

Recebemos sua solicitação de registro. Se esta é a primeira vez que você se inscreve em nossos serviços, Confirme sua inscrição clicando no link recebido por e-mail.

Se você deseja receber informações personalizadas, preencha também os seguintes campos opcionais.

Ao preencher este formulário, concordo em receber informações relativas aos serviços referidos nesta página de acordo com a política de privacidade.


Valores nutricionais

Sage é geralmente usado em pequenas quantidades. Pense por exemplo nas receitas que envolvem seu uso, será difícil você usar mais do que algumas folhas, apenas o suficiente para dar sabor. Dentro 100 gramas de sálvia estão contidos 315 kcal (calorias), mas vamos ver os outros em detalhes valores nutricionais:

  • Carboidratos 60,73 g (gramas)
  • Fibra dietética 40,3 g
  • 12,75 g de gordura
  • Proteína 10,63 g
  • Açúcares 1,71 g
  • Sódio 11 mg (miligramas)


Em 800 DC o imperador romano Carlos Magno decretou que toda fazenda deveria crescer sábio para o bem do império. Na verdade, durante séculos, esta planta foi considerada uma ferramenta preciosa pelos curandeiros tradicionais de todo o mundo. Um ditado também era difundido na época: "Por que um homem morre quando cultiva sábio em seu jardim? "

Plínio, o Velho, em seus escritos descreve o sábio como um excelente diurético e anestésico local.

O pó obtido de Folhas secas do sábio pode ser usado como creme dental, e com excelentes resultados. Até as folhas frescas, se esfregadas nos dentes como se fossem uma escova, além de limpá-los, mantêm o hálito fresco.

O nome vem da palavra latina salvus o que significa saudável apenas para indicar o propriedades terapêuticas da planta. Na medicina popular da Idade Média, o sábio já era utilizado para o tratamento de diversas doenças relacionadas à pele.

Para uso externo, o sábio é usado no tratamento de picadas de insetos e na desinfecção de feridas e feridas. Mastigar as folhas frescas é uma excelente panaceia parainflamação das gengivas.

É considerada uma panacéia para uma ampla gama de doenças. UMA provérbio antigo diz mais ou menos assim: “quem tem sálvia no jardim tem saúde no corpo”.

EU'óleo essencial deve ser usado com cautela e parcimônia, não podendo ultrapassar 3 gotas, independente do uso que seja feito. Não abuse do uso de folhas frescas também. Estes contêm absinto que em altas doses pode ser bastante tóxico, especialmente para pessoas hipertensas.

Com 50 g de flores é Folhas de sálvia deixe embeber em um litro de vinho ou licor com o qual você pode preparar uma bebida propriedade digestivo e tônico.

Talvez nem todo mundo saiba disso

Graças ao dele propriedade que tem efeitos benefícios na pele e no cabelo, a planta é amplamente utilizada em cosméticos.

Um método para prove suas folhas é para fritar, mesmo que este tipo de cozedura não seja muito saudável. De vez em quando, porém, é possível se entregar a esse prazer, desde que não se torne um hábito. As folhas são primeiro passadas na massa e depois imersas por alguns minutos em óleo fervente.

Já que seu sabor é muito delicado na cozinha, é melhor adicioná-lo aos pratos no final da cozedura. Ao fazer isso, ele manterá seu essência integra.


Vídeo: 3 CULTIVOS LUCRATIVOS em pequenas áreas


Artigo Anterior

Como Colher Coentro

Próximo Artigo

Como fazer uma cerejeira crescer a partir de uma semente