Balaenoptera physalus - Baleia-comum - Quem é a baleia-comum e como ela vive


BALEIA COMUM

CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA

Reino

:

Animalia

Filo

:

Chordata

Subfilo

:

Vertebrata

Aula

:

Mamíferos

Pedido

:

Cetáceos

Subordem

:

Mysticeti

Família

:

Balaenopteridae

Gentil

:

Balaenoptera

Espécies

:

Balaenoptera physalus

Subespécies

:

Balaenoptera physalus physalus

Subespécies

:

Balaenoptera physalus quoyi

Nome comum

: baleia-comum

DADOS GERAIS

  • Comprimento do corpo : 23 - 26 m (as fêmeas são ligeiramente maiores que os machos)
  • Peso: 50 - 70 t
  • Maturidade sexual: feminino: 3-12 anos, masculino: 7-8 anos

HABITAT E DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA

A baleia-comum, de nome científico Balaenoptera physalus da família Balaenopteridae, é um cetáceo encontrado em todas as águas temperadas (sejam mares ou oceanos) do mundo, com exceção das águas tropicais e polares. São espécies pelágicas, mas às vezes também são encontradas em águas rasas a 30 m de profundidade, perto da costa.

Foi apontado que existem duas subespécies de baleia-comum de acordo com a distribuição geográfica: a Balaenoptera physalus physalus que é encontrado no hemisfério norte e no Balaenoptera physalus quoyi no hemisfério sul, que diferem não apenas pelas diferentes características genéticas, mas também pelo tamanho, ligeiramente maior na baleia do sul do que na do norte. Considerando o fato de que as estações nos dois hemisférios são invertidas, as duas subespécies praticamente nunca se encontram, pois as épocas de migração mudaram no tempo.

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

A baleia-comum é um grande cetáceo castanho-acinzentado de ventre branco, muito elegante e muito elegante até nos movimentos.

São baleias de tamanho considerável que chegam a 23 m de comprimento com peso estimado em 70.000 kg (estimado porque nunca foram pesadas) tornando-se o maior cetáceo do mundo depois da baleia azul.

Certamente, a característica mais incomum da baleia-comum é a coloração assimétrica da mandíbula inferior (foto abaixo), que é branca ou amarela cremosa no lado direito, enquanto no lado esquerdo é de cor escura. Essa coloração assimétrica se estende até as barbatanas e a língua (parece que essa coloração diferente ajuda na captura de presas como resultado de técnicas de caça particulares).


Nota 1

Eles têm uma cabeça em forma de V, achatada no topo, que tem uma espécie de crista que vai da abertura até a ponta do rostro (mandíbula superior). Eles têm uma série de sulcos (cerca de 85) que vão da garganta ao umbigo que servem à baleia-comum para expandir a garganta para conter mais alimento.

Cada lado da mandíbula superior possui 350-400 barbatanas (foto ao lado) que são lâminas córneas, de cor escura, feitas de queratina que substituem os dentes que faltam. A função da barbatana é segurar o peixe e eliminar a água. Cada barbatana tem cerca de 30 cm de largura e 76 cm de comprimento.

Têm uma barbatana dorsal muito curva, com cerca de 60 cm de altura e muito deslocada caudalmente; as barbatanas peitorais são pequenas e afiladas e a caudal é robusta com músculos poderosos que lhe permitem sustentar uma velocidade de 37 km / h.

Pode descer até 250 m de profundidade e permanecer submerso em média 15 minutos, embora tenha sido observado que pode permanecer submerso por períodos mais longos.

CARÁTER, COMPORTAMENTO E VIDA SOCIAL

A baleia-comum é um cetáceo que pode ser encontrado sozinho ou em pequenos grupos, até 6-7 indivíduos, embora grupos muito grandes tenham sido observados durante as migrações (até 300 indivíduos).

Eles são animais migratórios que migram para o norte no início da primavera, indo para latitudes elevadas, enquanto no outono tendem a retornar para latitudes mais baixas.

São cetáceos que se destacam em poderosos saltos fora d'água.

COMUNICAÇÃO E PERCEPÇÃO

A baleia-comum produz uma grande variedade de sons de baixa e alta frequência que podem ser ouvidos a distâncias consideráveis, desta forma pensa-se que grupos de baleias-comuns, mesmo distantes entre si, permanecem sempre em contato.

HÁBITOS ALIMENTARES

A baleia-comum se alimenta de vários tipos de animais planctônicos, incluindo crustáceos, lulas e pequenos peixes. A sua alimentação principal baseia-se no krill, pequenos crustáceos marinhos semelhantes aos camarões (no Mediterrâneo é o seu único alimento), pertencentes à ordem dos Euphausiacea.

Eles podem consumir até 2 t de comida por dia e a técnica é abrir bem a boca e colocar uma grande quantidade de água e peixe na garganta (a garganta aumenta de volume de acordo com a quantidade de comida, graças aos sulcos) : a água é eliminada graças às barbatanas (têm a função de segurar o peixe) enquanto o peixe é engolido com a ajuda da língua (vídeo ao lado).

REPRODUÇÃO E CRESCIMENTO DOS PEQUENOS

A baleia comum é considerada uma espécie monogâmica, pois o macho e a fêmea sempre viajam juntos.

O acasalamento ocorre no inverno e a gestação dura cerca de 12 meses, ao final da qual nasce apenas um bebê, com 6,5 m de comprimento e pesando cerca de 18 kg. Os cachorros são desmamados quando atingem os 6-7 meses de idade, o que corresponde a um comprimento de cerca de 11-12m.

Acredita-se que a maturidade sexual seja alcançada por mulheres entre as idades de 3 e 12 anos, enquanto em homens entre as idades de 7-8.

PREDAÇÃO

A baleia-comum, graças ao seu tamanho, não tem predadores naturais, exceto os orqueosqualídeos de grande porte que podem atacar os filhotes. Só o homem é o grande predador deste mamífero e o tem caçado intensamente (e continua a caçá-lo) até que quase o reduz à extinção.

ESTADO DA POPULAÇÃO

Balaenoptera physalus está classificado na lista vermelha da IUNC (2009.1) entre os animais com risco muito alto de extinção na natureza, EM PERIGO (EN).

O IUNC estimou que nas últimas três gerações (78 anos) a população caiu 70% devido à intensa caça comercial realizada principalmente no hemisfério sul. Na prática, foi a segunda espécie de baleia mais caçada, no século XX, depois da baleia azul. No passado, esta baleia gozava de alguma proteção devido à sua velocidade e ao fato de viver em mar aberto. Hoje, infelizmente, essas características não o salvam das modernas técnicas de caça e tecnologias modernas.

A IWC (IWC International Whaling Commission) em 1985/1986 fez uma moratória sobre a caça comercial de baleias ao estabelecer o limite de captura em zero (exceto para pesca aborígine de subsistência na costa da Austrália). Costa da Groenlândia), mas esta moratória não foi reconhecida pelo Japão, Islândia e Noruega, que continuam a caça com fins comerciais.

As causas secundárias da morte da baleia comum são: colisões com navios, especialmente no Mediterrâneo; capturas acidentais com redes de pesca; poluição sonora subaquática que se torna uma ameaça à migração destes cetáceos, dada a sua dependência do som para a navegação.

A baleia-comum está listada no Apêndice I da CITES, a Convenção sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas de Extinção, que não é reconhecida pela Islândia, Noruega e Japão.

As baleias-comuns também estão listadas no Apêndice I e II da Convenção sobre Espécies Migratórias (CMS).

Como parte do acordo para a conservação dos cetáceos no Mar Negro, no Mar Mediterrâneo e nas águas adjacentes, o acordo ACCOBAMS (em vigor desde janeiro de 2001) foi assinado pelo qual as baleias-fin, juntamente com outros cetáceos, são protegidas da morte deliberada, tentativas são feitas para proteger seus habitats e melhorar seus conhecimentos.

Observação

(1) Imagem não sujeita a direitos autorais: foto de cortesia NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration) EUA


Vídeo: Carcaça de baleia azul prestes a explodir no Canadá


Artigo Anterior

Cultivo de cipreste calvo - plantando uma árvore de cipreste calvo

Próximo Artigo

Sempervivum 'Raspberry Ice'